Vias Concretas de Conversão e Entrega

Não podia ser de outro modo, se Fátima nos recorda o essencial da mensagem evangélica, que é a necessidade de tomar a sério o amor com que Deus nos cria e nos salva, tem de mostrar os caminhos para chegar a ele, tem de conter referencias aos espaços de encontro dos homens com esse amor.

Ora, tais espaços são fundamentais a Igreja, com a doutrina e os sacramentos que nela deixou o amor eterno do pai, revelando-se no Filho, pelo Espírito santo.

Mantemos o esquema trinitário da eclesiologia do Vaticano II e compreendermos mais uma vez o sentido daquela oração ensinada pelo Anjo aos videntes, na Eucaristia, o sacramento dos sacramentos, que faz a Igreja e é feita pela Igreja, como diria um grande teólogo dos nossos dias.

Por isso ela ocupa um lugar central na prática cristã para que aponta a vida dos pastorinhos, sobretudo após a terceira aparição do anjo, mas também antes, basta pensarmos nas enternecedoras conversas acerca da comunhão e do Jesus escondido.

Alguns objetarão que na mensagem de Fátima há poucas referencias e ainda assim, apenas indiretas, à Eucaristia como celebração é, sobretudo a presença real e o intimismo da adoração e da comunhão sacramental que entra na perspectiva dos videntes e dos seus primeiros intérpretes.

A isso respondemos dizendo, antes de mais nada, que se trata de um dos aspectos sobre os quais o estudo da documentação poderia lançar alguma luz.

No entanto, não deixa de ser importante realçar o significado da acentuação antecipada de uma perspectiva que os exageros da leitura parcial de alguns textos do Magistério ameaçaram apagar por completo.

Mas o que talvez seja mais digno de nota é como também em Fátima se pode ver a pedagogia divina, concretamente neste pormenor, como poderiam aquelas crianças entender uma linguagem que cinco décadas mais tarde alguns Pastores e teólogos entenderam tal mal?

Seja como for, a piedade eucarística dos videntes, sobretudo nos anos de que falam as Memórias da Irmã Lúcia, faz parte integrante da mensagem de Fátima e como tal tem de ser estudada, ela apresenta-se como resposta total da pessoa ao amor eterno de Deus, presente na Igreja e em tudo o que nela é celebração do ministério de cristo… Da palavra aos sacramentos, passando pelas ânsias de salvar o mundo, que encontramos na evangelização e no apostolado pessoal. Todos estes temas aparecem na oração do Anjo, que será um dos textos sobre que terão de se debruçar demoradamente àqueles que quiserem estudar a teologia da mensagem de Fátima.

Falamos dos anos que se referem às Memórias e que vão da Primavera de 1916 – primeira aparição do Anjo – à primavera de 1922 – morte de jacinta, pensamos que eles constituem o essencial da mensagem de Fátima, não só pelo que durante eles aconteceu, mas, sobretudo porque a eles se terá de voltar sempre para compreender o resto.

É por isso que, em nosso entender, as especulações à volta do SEGREDO particularmente da chamada terceira parte e do que poderia dizer-nos a vidente ainda viva, serão perigosas tentações, porque ameaçam permanentemente fazer-nos esquecer o que nos dizem as palavras e a vida das crianças, que é onde teremos sempre de ir procurar o significado do resto. A não ser que queiramos transformar Fátima noutra coisa qualquer, que, boa ou má, não seria nunca a que Deus quis para a humanidade deste século.

Eucaristia – adoração, comunhão reparadora (O coração Imaculado de Maria é o caminho mais curto para, através da Igreja, chegar à profundidade do amor de Deus) – o Papa, a Igreja, a Santíssima Trindade, que o vaticano II quis ver refletida no mistério do Corpo Místico de Cristo.

Não se percebe como foi possível chegar ao septuagésimo quinto aniversário das Aparições sem ter extraído delas toda a riqueza que aí se encontra, a não ser pelo fato de cairmos tantas vezes na tentação referida, de irmos à procura do sensacional, do que só uma desenfreada especulação pode descobrir em certos por menores, que perdem sentido fora do conjunto.

O que Fátima nos diz é o mundo irá de mal a pior, se não se volta para Deus, que era o que diziam já os profetas, quando viam os responsáveis pela vida de Israel à procura de remédios para seus males, sem se inquietarem com as indenidades individuais e coletivas à Aliança.

E diz-nos ainda Fátima que não temos outro caminho para regressar a Deus senão aprofundado a relação com ele, criada a partir do batismo e que depende da nossa vida eclesial.Por outras palavras, depois da Encarnação, não se vai a Deus sem a mediação da Igreja.

Enquanto não pudermos dispor de uma edição crítica dos documentos, será sempre arriscado dizer em que medida, por exemplo, revelações posteriores, ainda não reconhecidas pela autoridade competente, estão incluídas no que sabemos da época das Aparições e anos imediatos, continuamos a considerar o limite da morte de Jacinta.

É o que acontece, por exemplo, com a consagração do mundo ao Imaculado Coração de Maria. Se bem que seja para nós um gesto profundamente significativo à consagração realizada pelos Papas, sobretudo a que João Paulo II levou a efeito, a 24 de março de 1984.

Mas, seguindo precisamente a teologia da consagração exposta pelo mesmo Sumo Pontífice em Fátima, a 13 de Maio de 1982, damo-nos conta de que a Virgem Santíssima, a primeira coisa que pede aos pastorinhos, em 1917,é uma consagração, uma entrega total a Deus, por intermédio de Sua e nossa Mãe.

E esta entrega era o que anunciava a Anjo, quando lhes dizia que os corações de Jesus e Maria tinham sobre eles desígnios de misericórdia.

Entrega que as três crianças realizaram conscientemente, em plena liberdade, naquele pronto, sem hesitações, pronunciado como resposta ao pedido sa senhora:

Quereis oferecer-vos a Deus para suportar todos os sofrimentos que Ele quiser enviar-nos, em ato de reparação pelos pecados com que ele é ofendido e de súplica pela conversão dos pecadores?

- Sim queremos.
- Ides, pois, ter muito que sofrer, mas a graça de Deus será o vosso conforto. (Memórias da irmã Lúcia, 6o edição, pág. 65/66.)

Não vale a pena procurar em Fátima qualquer solução mágica, que nos dispense de realizar a passagem pela porta estreita de que fala o Evangelho: Maria, no alto da serra de Aire, é o caminho de Deus recordando-nos a necessidade da conversão,

Que terá de passar pela obscuridade da fé… Ele claro, mas também nos meios que nos deixou para chegar a ele, como é a Igreja.

Depois, esse carinho, que providencialmente quer ser materna, num mundo em que se desprestigia cada vez mais maternidade, fala de entregar-se generosamente ao serviço da conversão dos outros, que será igualmente uma fora de aprofundar a própria conversão, é uma constante da história da espiritualidade, ninguém que tenha encontrado Deus descansa enquanto souber que há pessoas que o não conhecem e todo aquele que se dá de alma e coração ao cuidado de aproximar os outros de Deus, está cada vez mais profundamente mergulhado nele.

Para compreendermos o que se passa com aquelas duas crianças que pouco a pouco se transformaram em hóstias vivas, imolando-se ao amor de Deus, para desagravar e salvar, não podemos esquecer a seriedade do seu encontro com esse amor, do qual brota todo o mistério das relações pessoais intra-divinas, fonte da nossa comunhão com a Trindade e de que as nossas relações intra-mundanas são um reflexo.

Algumas pessoas escandalizam-se com as penitencias a que se sujeitaram os videntes e parece-lhes que, vista do angulo das crianças, a mensagem de Fátima é demasiado triste:

Pensamos que este escândalo só se explica pela superficialidade com que nós próprios vivemos as grandes realidades da nossa vida humana, sempre os corações medíocres se chocaram com os exageros dos apaixonados.E quando se trata, não já de uma paixão horizontal, apenas à medida do homem, mas incendiada em amor sobrenatural, com deus como fonte e objeto, as coisas entram no âmbito do mistério, só quem for igualmente santo e apaixonado poderá compreender as loucuras dos grandes santos.

Afinal, não se trata de compreender tudo quando se passa na visa dos pastorinhos, que são, em qualquer dos casos, objeto de um chamamento especial, nem todos os carismas são comuns,ainda que todos devam reverter para o bem da comunidade, recorda-nos São Paulo.(cfr. 1C 12,7)

O que essa vida nos diz, como uma força raramente encontrada noutras revelações particulares,é que o pecado é algo muito sério porque tentando afastar Deus do mundo a que ele dá o ser e o sentido, desordena esse mundo, corrompe as vontades e torna infelizes aqueles que foram criados para serem felizes. E que a felicidade não está em ter e gozar, mas o crescimento do ser, que só se verifica na lógica do amor, que é doação e entrega, sem cálculo nem medida.

E estamos em crer que nenhuma espiritualidade poderá considerar-se inspirada em Fátima e na sua mensagem, se não põe no centro de sua dinâmica está reflexão sobre o pecado e o amor, iluminada pela vida das crianças que viram Nossa Senhora.

Homilias

Veja mais

Destaques

Em pleno Ano Jubilar do Centenário das Apar...

Somente uma vez ao ano, no domingo de Ramos e da Paix&...

A Campanha da Fraternidade é uma campanha reali...

Peregrinação

Área do Usuário

Pesquisa

Agenda Pastoral

Calendário Pastoral

Santos do Dia

Santo do Dia

Dedicação da basílica de São Francisco em Assis


Fale Conosco

Faça seu pedido de oração, intensões de missas, receba informativos por e-mail ou entre em contato conosco.
Restam caracteres a serem digitados.
Captcha image