Sexta Aparição

Sexta Aparição

Na tarde do dia 12 de outubro de 1917, uma grande multidão de pessoas, vindas muitas delas de terras distantes, tinham ocorrido de toda parte e se achavam já reunidas na Cova da Iria.

O céu cobrira-se de nuvens e a chuva miudinha, que começara de cair, não parou em toda a manhã do dia 13, de modo que a Cova da Iria tornou-se em breve um verdadeiro lamaçal.

Cálculos bem fundados computaram em setenta mil os assistentes.

Meia hora antes da aparição, chega os Pastorinhos e dirigem-se para junto da azinheira. A chuva teimosa e persistente continuava a atormentar os forasteiros.

Mas ninguém desanima. Os últimos carros chegam com os retardatários. Grupos de fiéis prostraram-se de joelhos, na lama, e Lúcia pede para fecharem os chapéus. Todos lhe obedecem prontamente! A criança anuncia então que a Senhora de novo lhe havia aparecido e falado, declarando, outrossim, que era a Senhora do Rosário.

Espetáculo único no seu gênero (espetáculo que poderá parecer incrível a quem não haja presenciado) se produziu então. De repente, rasgaram-se as nuvens e a chuva parou completamente. Duma elevação do caminho vê-se a multidão inumerável voltar-se para o sol, que aparecia agora no pino do céu, sem nuvens e sem mancha. Assemelhava-se a um disco de prata. Podia fitar-se afoitamente; o seu calor não queimava, nem o seu brilho cegava. Parecia estar-se em presença dum eclipse mais eis que a multidão rompe num grito e o clamor que então se fez ouvir foi estrondoso: Milagre! Milagre!

Na Cova da Iria, o bservando o fenomemo solar.

Qual roda de fogo, girava sobre si mesmo, com uma rapidez indescritível. O seu núcleo era escuro e só as bordas brilhavam. Parecia que tendo saído de sua órbita, se precipitava sobre o planeta que habitamos. Muitos gritavam já perdidamente, julgando ser chegado o fim do mundo. Ao mesmo tempo, feixes de luz de todas as cores do arco-íris espalhavam-se por cima da multidão, revestindo tudo e todos de amarelo, azul e escarlate, provocando assim nos circunstantes indizível admiração. Uma coluna de fumo semelhante a uma nuvem, a três ou quatro metros do solo, pairava sobre o local. Este acontecimento repetiu-se por três vezes bem distintas.

O espetáculo durou ao todo dez minutos. Fotografias tiradas naqueles breves momentos mostraram o sol semelhante a um disco de centro escuro e bordas luminoso.

Consta do processo canônico, que o fenômeno solar foi observado por pessoas que encontravam a cinco e mais quilômetros de distâncias. Não podia admitir, portanto, qualquer sombra de sugestão.

Ainda estas circunstâncias: Terminado o fenômeno, notaram todos com surpresa, que os próprios fatos, pouco antes encharcados, estavam completamente enxutos.

Peregrinação

Área do Usuário

Pesquisa

Agenda Pastoral

Calendário Pastoral

Santos do Dia

Santo do Dia

Sto. Antônio Maria Claret, bispo


Fale Conosco

Faça seu pedido de oração, intensões de missas, receba informativos por e-mail ou entre em contato conosco.
Restam caracteres a serem digitados.
Captcha image