Semana Santa - Páscoa Segundo Mateus

A noite estava estranhamente escura, parecia que a escuridão tinha adquirido densidade. Parecia pesada, gemente, como uma mulher prestes a dar à luz.

Próximo aos túmulos cavados aqui e ali nas pedras, muitos olhos – alguns embaçados pela doença, outros tontos pela fome, outros apodrecidos pela miséria, outros arregalados pelo medo – espiavam.

À espreita, escondidos entre as pedras e as plantas, protegidos pela noite, muitos olhos espiavam os acontecimentos. Ninguém nunca se dava conta de que eles estavam ali; ninguém nunca perguntaria o que eles tinham presenciado e, se viessem, não lhes dariam crédito.

Por isso eles, – os miseráveis de todas as espécies e por todas as causas – podiam olhar a vontade – espectadores privilegiados daquela noite única.

No dia anterior, mesmo os cegos tinham visto o céu tornar-se negro e rasgar-se com fúria, como um grito de homem transpassado pela espada.

Depois, mesmo os surdos ouviram os soluços e os gemidos do mundo, misturados ao choro das mulheres. A terra se queimara com as lágrimas de uma mãe, como se ela fosse, – naquele dia – a mãe de todos.

Escondidos, eles, – os rejeitados – viram chegar, às escondidas um grupo que trazia, às pressas, um cadáver. E foi preciso um grande esforço para rolar a pedra que fechou o túmulo em que ele foi colocado.

Havia mais do que dor naquele sepultamento, mas não podiam explicar. Como também não podiam explicar por que soldados guardavam atentos aquele túmulo.

E até mesmo os doentes se deslocaram para espiar a cena, porque todos sentiam que algo estava para acontecer.

Depois, só o silêncio e a noite densa. Mas eles, – os desesperados – não podiam dormir; tampouco os soldados: davam voltas, jogavam dados, contavam a história de um rei que fora crucificado entre ladrões.

E mais silêncio. E depois, o medo e o susto, quando viram os soldados fugir apavorados, sem rumo. Ontem o céu se abria, hoje, a terra parecia fender-se. A pedra rolada deixara o túmulo aberto.

A aurora chegava lenta; uma nuvem rosa rasgava o horizonte adormecido. Estava escura, mas eles puderam ver a mulher que vinha apressada, trazendo pote. E como ela ficou desesperada ao ver o túmulo aberto e como chorava, procurando o corpo e como se transfigurou ao conversar com alguém.

Sim até os abrigados se levantaram e até os cegos vieram para testemunhar que ali havia alguém. Não sabiam quem era, mas uma coisa era certa: não era um morto, não era um fantasma. Quem quer que fosse estava vivo e parece que falava com autoridade de mestre, porque a mulher saiu às pressas, como que para cumprir uma ordem importante. Não mais chorava não mais se desesperava, mas abandonara o pote inútil.

Alguns mais curiosos ousaram ir até o túmulo para espiar e viram que estava mesmo vazio.
Um deles, um desses mendigos errantes, disse que tinha certeza de que vira aquele homem antes. E estava tirando um morto do túmulo, um tal de Lázaro.

E como um mendigo errante precisa sempre partir, ele foi embora como chegou, gritando para quem quisesse ouvir, nas aldeias, nos caminhos e nas cidades: que – em Jerusalém – um homem havia ressuscitado: saíra do túmulo e estava vivo, bem vivo.

E os aleijados, e os cegos, os miseráveis de todos os tipos e por todas as causas, sabiam que ele não estava falando bobeira, ainda que parecesse louco de alegria.

Peregrinação

Área do Usuário

Pesquisa

Agenda Pastoral

Calendário Pastoral

Santos do Dia

Fale Conosco

Faça seu pedido de oração, intensões de missas, receba informativos por e-mail ou entre em contato conosco.
Restam caracteres a serem digitados.
Captcha image