Semana Santa - E viu e creu

“Então, entrou o outro discípulo que chegou primeiro ao sepulcro: e viu e creu. Pois ainda não tinham compreendido que, conforme a Escritura, Ele devia ressuscitar dos mortos”.

“E viu e creu”.

E viu que tudo aquilo que Jesus falara era verdade e que a verdade os libertava, como o vento dissipa as nuvens carregadas e limpa o pó que se acumula nos caminhos.

E viu que tudo aquilo que viveram com Jesus iluminava-lhes toda a vida, como o sol potente do meio-dia, como a lua cheia nas noites densas.

E viu que o Deus que Jesus revelara era realmente Pai, porque só um pai pode amar com um amor tão intenso como a pulsão da vida.

E viu que o que acontecera na praia, no dia da pesca milagrosa, tinha sido muito mais do que um convite a uma nova vida, mas a uma intimidade total com o Senhor, assim com o sal se confunde com a areia que costeia o mar.

E viu que aquilo que Jesus dissera sobre quem seriam os bem-aventurados da terra era uma nova lei, uma lei de amor que se anunciava tão forte e naturalmente como o tempo dá ao mundo seu ritmo, fazendo-o evoluir e ser, caminhar e crescer.

E viu que o pão multiplicado a partir do quase nada e distribuído ao povo que a Jesus seguia não era apenas comida, mas o anúncio do único e verdadeiro alimento, que fazia a comunhão de amor e presença entre os homens e seu Salvador, como se tivessem um só coração.

E viu que aquele nazareno que vivera com eles durante três anos, como andarilho e pobre, era plenamente homem, era plenamente Deus, e lhes revelara quem era e quem eram eles, assim como se revela um segredo e se entrega um tesouro, na gratuidade de uma paixão que não se explica.

E viu que a loucura da cruz não encerrava a utopia de um rei coroado de espinhos, com cetro de vara, flagelado, injustiçado, traído, como as trevas escondem as lágrimas e a vergonha, como o silêncio abafa os soluços e os gemidos.

E viu que o túmulo aberto, os panos deixados, o sudário abandonado não eram obra humana, nem fruto maldoso do poder e da mentira, mas era o que ninguém havia bem entendido e, agora, nas primeiras horas daquele dia que seria para sempre o primeiro, se tornava claro e enorme, como um imenso céu aberto, sem fim, sem mácula.

Ele viu como nunca havia visto, porque seus olhos estavam completamente abertos pela verdade do Ressuscitado. Era como se fosse o primeiro dia da criação, porque a vida era nova, porque Deus misericordioso voltava a conversar com os homens no jardim do Éden, porque a morte perdera seu posto maldito e iluminava-se de eternidade.

E viu e creu.

Jesus Ressuscitado, Senhor da vida, tire a trava de nossos olhos incrédulos e faze com que vejamos o túmulo vazio e que, crendo completamente confiantes em ti, corramos para anunciar aos irmãos que estás vivo no meio de nós.

Peregrinação

Área do Usuário

Pesquisa

Agenda Pastoral

Calendário Pastoral

Santos do Dia

Fale Conosco

Faça seu pedido de oração, intensões de missas, receba informativos por e-mail ou entre em contato conosco.
Restam caracteres a serem digitados.
Captcha image