Sarai

Não havia lugar em nenhuma hospedaria da cidade. As portas se fechavam com uma negativa irremediável e a frieza dos hospedeiros, satisfeitos com a movimentação do recenseamento, confundia-se com o gelo da noite.
José estava inquieto, angustiado. Até então, vivera completamente na fé e cada segundo de sua vida era justificado pelas palavras do anjo. Ele não se enganara e via as maravilhas se sucederem: Isabel, adornada de cabelos brancos, acabara de se tornar mãe; Zacarias, recuperado do silêncio, não parava de dar graças a Iahweh, e Maria, sua jovem esposa, era uma fonte junto à qual os anjos vinham cantar. Impossível ser mais feliz. Mas, naquele momento, a realidade fustigava-lhe o rosto e pedia um quarto para passar a noite.

Já era muito tarde e o vento do norte agigantava-se pela escuridão adentro. Foi quando Maria apertou o braço forte de José e apontou uma pequena luz: era a última hospedaria da cidade. Mas ali, também, não havia mais lugar. José ia insistir com o hospedeiro, mas antevendo a insistência inútil, este indicou o abrigo dos animais, como que esperando que recusassem. Mas estavam cansados e a hora era chegada.

O local ao menos era quente: a palha seca detinha a umidade e o corpo dos animais segurava a ventania. Maria deitou-se para descansar, José vigiava discretamente, contando estrelas e pensando na descendência de Abraão. A noite tomava posse das casas e impunha seu silêncio. E foi no obscuro silêncio que Maria viu entrar no abrigo uma mulher. José não se dera conta, distraía-se a conversar com o Senhor.

Não era velha, mas seus olhos muito negros e grandes conheciam o sofrimento dos longos dias. Era a serva da hospedaria. Estrangeira e estranha para todos. Contavam-na com os burros e as ovelhas. Seu nome era Saraí e significava princesa, mas ela era a última das servas. Morava de favor, trabalhava de obrigação; tinha serviço, mas não tinha um leito; nunca lhe sobrava um tempo e contentava-se com o que lhe sobrava de comida.

Insinuou-se tão discretamente que o silêncio permaneceu profundo, majestoso. Sentou-se tímida ao lado de Maria e acariciou-lhe os cabelos úmidos de madrugada. Percebeu-lhe no olhar o brilho iminente de mãe e apressou-se para buscar água.

Quando voltou com água quente e faixas, Maria já segurava o Menino nas mãos. Seus olhares se cruzaram e brilharam com lágrimas de pura alegria. Ajudou a dar o primeiro banho e a jovem mãe envolveu-o nas faixas. Saraí escolheu palha nova, limpou o lugar, ordenhou uma vaca, deu leite e mel para a mãe, trouxe a pedra ainda quente e assou o pão fino que serviu ao pai engasgado de felicidade, que descobria que, com o Senhor, é possível ser sempre mais feliz, separou uma manjedoura e improvisou um berço. Falava pouco como sempre, mas não perdia um detalhe, um gesto. Estava lá para servir e nunca servira com tanta felicidade. Rezou com os pais, descobriu que o Menino tinha um nome amável e não estranhou quando uma multidão de pastores foi chegando eufórica, falando de anjos, de uma nova e brilhante estrela, de um Salvador. Buscou explicações nos olhos da Mãe e encontrou um grande sorriso, certamente ainda mais luminoso do que aquela estrela de que falavam. Voltou-se para o Menino diante do qual os pastores se ajoelhavam e sentiu a vertigem que uma grande revelação provoca. Sentou-se num canto para o coração não explodir e lá ficou, acariciada pela certeza de que Iahweh se manifestara.

Com a vida em festa, levantou-se e ordenhou novamente a vaca: era preciso dar um pouco de leite àqueles pastores da noite, talvez com um pouco de mel e talvez com um pouco de pão. E o leite veio generoso e abundante, muito mais do que podia se esperar, e o pote de mel parecia não ter fundo e a farinha, mesmo sem fermento, crescia. Em sua lógica de cozinheira, ela não entendeu e buscou novamente o olhar da Mãe que sabia que, com seu Filho, aquelas coisa seriam normais.

Saraí, a última das servas, naquela noite, sentiu-se amada pela primeira vez e revelou-se princesa a servir o maior de todos os reis, o único Senhor.

Que neste Natal, como a serva Saraí, nós estejamos à disposição da Sagrada Família, que cuidemos do Menino Jesus e de todos os meninos da Terra, que nos invada a alegria infinita da revelação, que nos transforme os dias a certeza de que, junto ao Senhor, podemos ser sempre ainda mais felizes.

Homilias

Veja mais

Destaques

Em pleno Ano Jubilar do Centenário das Apar...

Somente uma vez ao ano, no domingo de Ramos e da Paix&...

A Campanha da Fraternidade é uma campanha reali...

Peregrinação

Área do Usuário

Pesquisa

Agenda Pastoral

Calendário Pastoral

Santos do Dia

Santo do Dia

Dedicação da basílica de São Francisco em Assis


Fale Conosco

Faça seu pedido de oração, intensões de missas, receba informativos por e-mail ou entre em contato conosco.
Restam caracteres a serem digitados.
Captcha image