É Natal, chegou a caridade

Estava o Senhor terminando de criar o universo, quando lhe veio ao coração uma ideia adorável (Nosso Deus sempre pensou com o coração, o que lhe valeu o título incontestável de Deus de amor). E concluindo a obra de suas mãos, inclusive a mais bela e perfeita – o homem e a mulher – decidiu dar a tudo o ritmo e a medida de sua própria alma. O Espírito Santo concordou imediatamente e prontificou-se a iluminar com profusão.
E, para estabelecer entre céu e terra uma relação direta com a Trindade, Deus criou também as virtudes.
Não criou muitas, apenas três: Fé, Esperança e Caridade.
Aliás, Ele não as criou: Ele as depreendeu de si, para que fôssemos capazes de agir e viver como filhos. Origem, causa e objeto das virtudes estão no próprio Deus.
Mas, como tudo o que criava Ele distribuía, não demorou a sair para realizar seu intento.
Assim, deu a Fé, para que pudéssemos acreditar nele e em tudo o que nos revelaria. Deu-a como um tesouro para ser guardado e como uma luz para ser difundida.

E toda a criação agradeceu a Deus, porque os homens testemunhariam que Ele era o único Senhor.

Continuando, deu a Esperança e colocou-a no coração humano junto com um eterno desejo de felicidade, desejo de herdeiro que quer tomar posse de seu Reino. Seria a virtude dos momentos sombrios, aqueles em que os homens pensariam estar abandonados.

E toda a criação agradeceu a Deus, porque os homens esperariam sempre no seu Senhor.

A Caridade ardia no coração de Deus: queria logo se instalar no peito humano e animar a vida que pulsava no universo. Seria pela Caridade que a alegria, a benevolência, a generosidade, a liberdade, a paz, a misericórdia viriam ao mundo.
Era a Caridade, sem dúvida, a virtude mais importante e, no pensamento de Deus, latejava uma forma para entregá-la aos homens. Estava o Criador tão feliz, que os planetas entraram em órbita, astros, antes escuros, começaram a brilhar ao compasso do Sol.
Deus, realmente apaixonado por aqueles que criara à sua imagem e semelhança, sabia – em sua onisciência – que a Caridade só poderia vir ao mundo em carne e sangue. E, num instante de paixão e dor indizíveis, o olhar de Deus pousou sobre seu Filho. E Ele compreendeu que deveria ser o Messias.
Nossa mente não pode compreender o que se passou no seio da Trindade naquele momento, mas convulsionou-se a história de toda a vida, dali em diante, plasmada pela única lei de um amor incondicional.

Incondicional seria o sim de uma menina pobre que, incondicionalmente, queria ser a serva do Senhor, que aceitaria ser uma mãe virgem. Incondicional seria a adesão de um carpinteiro que aceitaria cuidar do Filho de Deus e de sua mãe.
Incondicional seria a fé e a esperança de todos aqueles que preparariam, no decorrer dos tempos, a vinda do Rei.

E assim, na plenitude dos tempos, Deus entregou seu Filho que, na carne e no sangue, nasceu entre os homens. Não lhe poupou de nada: nem da pobreza, nem do descaso, nem do frio, nem da indiferença. Nasceu rodeado de animais, porque as gentes lhe fecharam as portas; os primeiros a verem o Menino eram pastores rudes, amantes das paisagens e conhecedores de estrelas.
Na noite primeira dos tempos definitivos, Deus do universo debruçava-se sobre um berço improvisado de palha e sorria, incondicionalmente apaixonado… por aqueles que criara.
Bem que os anjos insistiram em acrescentar algo ao canto que entoaram por toda a terra, algo que lembrasse aos homens aquele amor imenso. Mas o Criador impediu-os porque o amor é incondicional, não se impõe, não estabelece contratos, mas é livre como o vento que percorre os altos cumes, como as ondas que provocam as areias, como a luz que se infunde e se esvai ao sabor das horas, como a música que entra e sai dos rincões e das planícies.
Nascia Jesus. “Deus conosco” era também “irmão conosco”, porque, agora, aprenderíamos o sentido real de sermos filhos, livres, justos, fiéis. Começava a primeira aula de amor incondicional. O Mestre estava entre nós, incondicionalmente entregue e presente.
A Caridade chegara ao coração dos homens, direto do coração de Deus, para fazer sua morada definitiva aqui entre nós

E toda a criação agradeceu a Deus, porque descobrira seu sentido, sua razão e por quem pulsaria – incondicionalmente reverente – por toda a eternidade.

Peregrinação

Área do Usuário

Pesquisa

Agenda Pastoral

Calendário Pastoral

Santos do Dia

Santo do Dia

Sto. Antônio Maria Claret, bispo


Fale Conosco

Faça seu pedido de oração, intensões de missas, receba informativos por e-mail ou entre em contato conosco.
Restam caracteres a serem digitados.
Captcha image