As dores de Maria

As Dores de Maria São Dores de Mãe

Sofreu Maria porque nem sempre pôde proteger seu Filho, como todas as mães querem fazer e também nem sempre conseguem.

A Mãe sofreria tudo para que seu Filho não sofresse nada, mas o Senhor a colocou junto de Jesus, para que o ajudasse a realizar a redenção, para que o encorajasse a anunciar a chegada do Reino e a Boa Nova do Evangelho, para que ficasse ao pé da cruz, para que recebesse seu corpo devastado pela dor e o guardasse no túmulo, à espera da ressurreição.

Junto do Filho e do Pai, Maria, serva do Espírito Santo, é – agora e para toda a eternidade – rainha do céu, dos anjos, dos profetas e dos apóstolos, mas, acima de tudo, ela é mãe. “Filho, eis a tua mãe!”, disse Jesus a João nos últimos momentos na cruz. Desde então, Maria não deixou de ser a nossa mãe e, por isso mesmo, faz suas as nossas dores, compreende os nossos limites, não rejeita os filhos teimosos, sustenta os mais fracos e doentes, os mais angustiados e abandonados. É companheira de todas as mães.

Ainda chora quando vê os filhos que partem para as guerras, não arreda de sua cabeceira quando estão doentes, segura-lhes o peso nas horas difíceis, enxuga-lhes as lágrimas nos dias da tristeza. Toma-os pelas mãos e os leva até Jesus, o filho mais velho, mais experiente em questões fundamentais, como amar, servir e morrer por amor.

Peregrinação

Área do Usuário

Pesquisa

Agenda Pastoral

Calendário Pastoral

Santos do Dia

Santo do Dia

Sto. Antônio Maria Claret, bispo


Fale Conosco

Faça seu pedido de oração, intensões de missas, receba informativos por e-mail ou entre em contato conosco.
Restam caracteres a serem digitados.
Captcha image