Adonai Elokeinu

(O Eterno é nosso Deus)

Era uma estrela. Uma simples estrela. Daquelas que estavam no firmamento desde os tempos em que Deus vagava pelo Universo, ordenando a Criação.

Ela estava lá desde o momento em que da escuridão se fizera a Luz, em que Deus pensara em todas as criaturas, em que se plasmava a eternidade. ‘Adonai Elokeinu’, o Eterno é nosso Deus, entoava toda a criação desde o princípio.

Era bom ser uma estrela: do alto via a terra e os homens, acompanhava a dança dos mares e dos ventos, o suceder das estações, dos séculos. Não sempre se interessava pelos homens, porque tantas vezes os vira tristes e ferozes e preferia seu destino de estrela: brilhar diante de Deus e dos homens, admirar as obras do Criador, inspirar os poetas, acolher as juras de amor feitas sob a lua.

‘Adonai Elokeinu’- o Eterno é nosso Deus!

Era bom ser estrela porque servia de guia nos desertos e nas noites profundas, e se em grupo, enfeitava os céus como as pérolas adornam o colo das mulheres e criava fantasias no pensamento das crianças que desenhavam histórias na imensidão.

Mas as estrelas tinha em que estar em sintonia com o Criador, sensíveis às batidas de seu coração de mão e pai. Por isso, já há alguns séculos, sentia um pulsar grave, magnífico, mais intenso do que todas as forças do universo reunidas. Parecia-lhe claro como as noites enluaradas, que Deus gerava o Amor, como se este já não pairasse sobre tudo.

‘Adonai Elokeinu’- o Eterno é nosso Deus!

Da terra ela ouvira ecos: profetas vinham e gritavam, morriam anunciando alguém que viria. Talvez no firmamento, tão distante das vozes e dos alaridos, fosse realmente impossível ouvir aquele nome santo, definitivo, salvador. Então, ela também aguardava e, às vezes, pegava-se gemendo, numa espera dolorosa e silente.

‘Adonai Elokeinu’- o Eterno é nosso Deus!

Assim foi, até que uma voz de mulher, quase de menina ouviu-se pelas galáxias. Era tão clara e cristalina que as palavras ecoavam tão inteiramente pelo espaço como o fogo consome a erva seca. ‘Faça-se!’. Para a estrela parecia ouvir o Senhor nos dias em que criava. ‘Faça-se!’.O que uma menina poderia estar dizendo?

Não compreendeu bem a estrela, mas nos breves meses que se seguiram, tudo parecia estar voltada para a Terra, para um lugarejo esquecido e pobre, invadido e menosprezado. As estrelas do Oriente tagarelavam à noite entre si e, mesmo durante o dia, davam uma espiada para ver o que estava acontecendo. Estavam particularmente alegres e brilhantes, porque sabiam que ali pulsava o coração de Deus e a redenção de toda a humanidade.

‘Adonai Elokeinu’ – o Eterno é nosso Deus!

Ansiosa também, a estrela só percebia que as noites eram mais longas, como se a noite prolongasse os instantes para que a grande notícia explodisse em seu seio e pudesse reger todos os astros num concerto de brilho esplêndido e eterno.

‘Adonai Elokeinu’- o Eterno é nosso Deus!

Mas, tudo parecia normal demais: naquele lugar que diziam ter sido o escolhido, faziam até recenseamento, vendiam-se ovelhas, viajavam de um lado para outro. Os homens talvez não se dessem conta – pensava a estrela – lamentando a pressa, o descaso, o descuido que se infiltrava entre as pessoas.

E naquele que seria o primeiro de todos os dias, o cosmos despertou silente: nada se mexia no aguado do nascimento de uma criança.

Deus se encarnava!
‘Adonai Elokeinu, Adonai
Elokeinu’- o Eterno é nosso Deus!

Todas as filosofias se calaram, todos os discursos emudeceram. Aquela criança, um menino bem pequeno, seria a Verdade definitiva

‘Adonai Elokeinu’- o Eterno é nosso Deus!

Todas as estrelas se confundiram e se entrelaçaram, porque aquele menino, Deus conosco, seria o único ‘Caminho’.

‘Adonai Elokeinu’- o Eterno é nosso Deus!

Toda a existência nos céus e na terra, nas profundezas do mar e nos abismos do infinito, dobraram-se reverentes. Aquele menino, seu nome era Jesus, seria a Vida.

‘Adonai Elokeinu’- o Eterno é nosso Deus!

Atônita diante da infinidade de Deus num corpo de criança, a estrela regozijou-se com o surgimento de uma nova estrela: brilhante mais que todas, grande e vistosa, a única que brilharia, levando o nome de uma cidade, indicando os caminhos em todos os desertos do mundo.

Um choro de criança cortou a noite na periferia de Belém. Estremeceram-se todos os astros, vibraram as entranhas da Terra.

Pulsava o coração de Deus entre os homens.

‘Adonai Elokeinu, Adonai Elokeinu’- o Eterno é nosso Deus!

Frei Yves Terral

Festa de maio

Área do Usuário

Pesquisa

Agenda Pastoral

Calendário Pastoral

Santos do Dia

Santo do Dia

São Romualdo


Fale Conosco

Faça seu pedido de oração, intensões de missas, receba informativos por e-mail ou entre em contato conosco.
Restam caracteres a serem digitados.
Captcha image